fanzine Tertuliando (On-line)

Este "blog" é a versão "on-line" da fanzine "Tertuliando", publicada pela Casa Comum das Tertúlias. Aqui serão publicados: artigos de opinião, as conclusões/reflexões das nossas actividades: tertúlias, exposições, concertos, declamação de poesia, comunidades de leitores, cursos livres, apresentação de livros, de revistas, de fanzines... Fundador e Director: Luís Norberto Lourenço. Local: Castelo Branco. Desde 5 de Outubro de 2005. ISSN: 1646-7922 (versão impressa)

terça-feira, outubro 25, 2016

A minha experiência com outras culturas, por Juan Manuel Tovar Ramírez

A MINHA EXPERIÊNCIA COM OUTRAS CULTURAS*

México 
Dentro desta empresa eu tenho tido a oportunidade de trabalhar com pessoas diferentes de todas as partes do México. E aqui está o meu primeiro comentário: apesar de falar a mesma língua, as palavras não significam a mesma coisa no norte do que no centro ou no sul. E também as questões culturais são muito diferentes: no norte falam com dureza (parece que falam um pouco aos gritos ou batido), no centro é muito comum o uso de palavras em diminutivo e no sul as pessoas são mais submissas e silenciosas.

Outros países 
Por outro lado, com a expansão da Organização, tive contato com os povos de: Guatemala, Honduras, El Salvador, Costa Rica, Panamá, Brasil, Colômbia, Peru, Chile, Espanha, Estados Unidos e Índia. Também através da formação tive contato com pessoas da Coreia do Sul, Inglaterra e Canadá.

Em primeiro lugar a forma de estar entre os países latino-americanos é muito semelhante, uma vez que eles têm uma origem comum, embora com a manta de retalhos de raças têm sido gerados muito diferentes padrões culturais. O povo da América Central têm uma forma de estar um pouco conformista e devido aos problemas nestes países, o seu sonho é emigrar para outros países como México, Estados Unidos, Canadá ou qualquer país europeu. O povo da América do Sul em geral são mais calorosos no seu tratamento.

Particularmente as pessoas da Colômbia são muito respeitadoras e sempre falam com respeito e não tuteiam [tratar por tu] ninguém apesar de ser conhecidas há muitos anos.

No Brasil, as pessoas são muito trabalhadoras e sempre proativas e quando tive relações com eles para diferentes projectos de formação, em um primeiro momento foi complicado de não conhecer a língua, mas ao aprender Português e Inglês, o tratamento tem-se tornado muito melhor e as coisas são muito mais evidentes quando se trata de questões laborais, além de que também se estreita laços de amizade. As pessoas do Peru são mais silenciosas e é difícil fazê-las participar, mas eles são responsáveis.

No caso do povo do Chile, são bastante felizes e têm um papel muito especial no tipo de trabalho: são bastante aplicados em ideias que são transmitidas e gostam sempre de ser informados de todos os projectos. No caso dos americanos, é um pouco mais complicado trabalhar com eles porque eles estão habituados a que sempre têm a razão e os temos de convencer de que o que está sendo proposto é a melhor opção.

No caso do Canadá, estão abertos para ouvir as opiniões e a ser tomadas em conta, independentemente de que não são semelhantes às suas ideias. Em especial eu tinha algum tratamento com pessoal da IMAX (cuja sede está no Canadá) e adaptaram muitas de suas ideias e formas de trabalho para fornecer um melhor serviço aos seus quadros da América Latina, particularmente do Cinépolis. 

Com as pessoas da Coreia do Sul, as pessoas gostam de trabalhar muitas horas por dia (12 ou mais). No entanto, algo que me chamou a atenção foi que cada 45 minutos há uma pausa para fumar e deixar de fazer o que você está fazendo para poder sair a dar uma fumada. Praticamente todas as pessoas que eu conheci eram fumadores e que era algo que eu não tinha visto em qualquer parte do mundo. Por outro lado, tivemos de comunicar numa língua que não era nativa para eles (Coreano), ou a minha nativa (Espanhol), ou seja em inglês e isso gerou uma certa confusão quando não chegam a compreender cada outros perfeitamente.

As pessoas da Inglaterra são tranquilas, respeitadoras e cordiais no tratamento.

O caso mais especial que tenho enfrentado é com as pessoas da Índia. Em várias ocasiões temos tentado implementar alguns projectos (tais como o sistema de gestão da manutenção de equipamentos chamado Máximo de IBM) e fazem orelhas moucas às coisas que você pretende implementar. Mesmo em algumas reuniões onde estávamos a falar em inglês e não chegávamos a um acordo, eles começaram a falar na sua própria língua ignorando-nos completamente, o que é frustrante e desesperante. No entanto, há que ser paciente com eles porque eles são algo fechados.

*Juan Manuel Tovar Ramírez (México)


Nota editorial:
Este texto foi elaborado numa aula de Português, o autor é meu aluno no ITESM, Campus de Morelia.

Etiquetas: ,

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home