fanzine Tertuliando (On-line)

Este "blog" é a versão "on-line" da fanzine "Tertuliando", publicada pela Casa Comum das Tertúlias. Aqui serão publicados: artigos de opinião, as conclusões/reflexões das nossas actividades: tertúlias, exposições, concertos, declamação de poesia, comunidades de leitores, cursos livres, apresentação de livros, de revistas, de fanzines... Fundador e Director: Luís Norberto Lourenço. Local: Castelo Branco. Desde 5 de Outubro de 2005. ISSN: 1646-7922 (versão impressa)

quinta-feira, agosto 29, 2013

SANTA MUERTE CAP. 14 II TEMPORADA

No momento em que DJ Marto, Carochina e Joaninha conversavam sobre a famosa Courgette. Uma rapariga aparecia por ali. Todos a conheciam por Pipa. Chamava-se Filipa , mas no entanto era conhecida por Pipa... Tal como os papagaios no Brasil, não falam, puxam-nos levam-nos diante o vento e... foi mais uma das destas preciosidades que Courgette a assediou como uma vendedeira de bijouterias e trazendo-lhe um livro "Como atingir O Ponto Bayar". Iludindo a rapariga até ao fundo da floresta. Courgette passa-lhe o seu testemunho. Agora ninguém a poderia chamar de fraude... Ali estava a nova Santa Muerte... ou o quer fosse... No entanto a jovem estava em delírios completos... No momento em que a verdadeira Morte, o pai de Bruno e o psicólogo apareceram no barracão dos rituais da santa estranha.

- Calma, calma, eu sou a Pipa, dou-vos o produto que quiserem!
- Mas o que é isto?
- Acalme-se lá!
- Não sei, só sei que uma cigana me enganou, deu-me uma maçã para trincar, disse-me que eu estava com fome...
- Isto só pode ser da Corgette, é típico dela...
- Mas o que é você está aqui a fazer? -perguntou Bruno. Eu não lhe disse para se afastar dela?
- Lilith? !!!
- Calma, eu vou contar-vos tudo...


Hospital Nossa Senhora da Morte

- Doutora, eu não tenho nada a dizer. Muito pelo contrário. Sei que lucrou muito com cegueira do meu irmão...
- Mas, meu Deus... isto será para os apanhados? -perguntou a médica furiosa.
- Qual é a sua especialidade? Diga-me lá oftmologia? Ou psiquiatria? Gostava muito de saber... Doutora... OU não direi antes Verucha? OU Melhor Primavera Marcelista? Não é este o seu nome? Ou acha que não sei que tem uma série de credores atrás de si em Lisboa? Atropelou a médica, ou mehor assitiu à morte dela e fez-se passar pela médica de comum acordo com o assassino para lhe dar informações, não é verdade?


  Sítio do Picapau  Amarelo , 2013

- Eu não admito que uma invejosa que fale mal da minha amiga Curta a Curta... eu adoro os rebuçados dela...
Bambi olha Rabicó furioso. De um momento para o outro começaram a trocar ofensas de uma longa velha história da morte de João Ratão e dos trabalhos de transformismo que fizeram sob os nomes de Alice Stein e REbecca. A disussão poderia ser ouvida por qualquer pessoa e por qualquer insecto, e isso já não era novidade para ninguém nas redondezas.
- De certeza não queres deitar tudo a perder? Se a tua mulherzinha de pano descobrir tudo lá se vão os planos da barata Zombie...
- Que personagem? Barata Zombie! Tu é que me saíste cá uma beata! Como a palhaça da tua amiga Corgette...
- Alto e para o baile! Antes demais respeitinho com a minha amiga, Courgette! Porque o nome de Barata Zombie era o nome da minha personagem na discoteca "Catequese do Bispo"!
Enquanto discutiam, Rabicó ofereceu-lhe um presente de aniversário muito especial um DVD da série "DEXTER" que Bambi Macho tanto gostava.
- O meu pós doutoramento vai ser sobre o Dexter e o Doutor Hanibal Letter! Vou fazer um estudo comparativo entre as duas personagens...
- Vá   vamos para casa! Tenho champanhe e umas coisas novas para o espectáculo de amanhã.
No meio de tanta amizade e ternura, os dois animais deixam de ser tão racionais e passam a ser aquilo que eles são realmente... irracionais deixando lá as amostras de sangue das vítimas da pseudo - SAnta Muerte.
- Isto sim, é uma fonte histórica- diz uma delas. Temos aqui as amostras de sangue de toda a população desta aldeia para dar a ideia da Santa Muerte, agora já sabemos quem te enviava os resultados da história e os comentários a partir de e-mail. Era a tua história à Carochinha e a assinatura do estilo de Dexter...
- Ai como me arrependo de ter feito o papel de Muerte... pensei que iria ter uma carreira como actriz, depois de termos acabado com o grupo... temos que os encorralar, disse Carochinha sorrindo. De um momento para o outro Joaninha olha a antiga colega de um grupo de grils band e diz-lhe: - Já sei o que vamos fazer... Vamos chamar o cão Aneis. Vou anunciar o meu casamento com o cão e fazer uma conferência de imprensa dando como presente as análises de sangue...
- O que é que isso quer dizer?
- Que as análises são de Carolina Nabuco e Daphne de Murrier...
- E isso quer dizer que  eles podem ter assassinado as escritoras e recomeçado agora sob a alcunha da Barata Zombie...
- Mas tu tens mais uma na manga. -diz Joaninha.
- Sim, O DJ Marto de quem te falei vai ser o nosso espião ,vai contar-nos tudo . Dentro de dias eles vão enlouquecer com o próprio veneno...
- Para quem varreu sempre a casa...- diz Joaninha a voa a voa.
- Não , menina estou é farta que roubem as ideias... e tu sabes muito bem o porquê... não me faças por a boca no trombone...
O mosquito adolescente surge com um trobone...
- Cota , não foi o que pediu ? Isto dá mais força que fazer halterofilismo!!!
Carochinha olha o Trombone furiosa, vira-se para o mosquito:
- Mas o que é isto? Deve estar a pensar que isto é algum baton, não? Acha-me com cara de música por acaso, olhe bem para mim! Veja lá s enão quer ir concorrer para o Elo mais Fraco!
O mosquito continuava a olhar para D. Carochinha e para D. Joaninha a Voa a Voa. Até que Joaninha lhe pergunta:
- Ai queres um autógrafo? Maldito a hora que fiz o papel de Santa Muerte para aqueles parolos! Toda a gente me conhece como o tomate encardido!
Até que o jovem incomodado com os calções largos rasga-os e diz por uns momentos:
- Ah! Que sensação boa! Isto é que é liberdade! desculpem minhas senhoras, mas eu como mosquito também tenho as minhas necessidades... O que eu lhes queria perguntar era o seguinte: A senhora não escreveu a "Sucessora" e a outra a "Rebecca"?
Consultório Doutor Bruno
No momento em que o mosquito adolescente pica Courgette Betelelleim, esta cai num delírio completo. OLha tudo em cores, cristais, esquece os laços familiares. Rasga a roupa e diz:
- Eu tenho fome! Eu quero carro funerário! UM conde drácula! Eu sou uma mulher muito quente! Eu quero um demónio que me incendie Quero uma brasa pelo corpo! Quero ser a sua corgette! Venham cá meninos!- diz ela chmando o ex-marido e o filho.
Corgette corre em direcção da sala de espera e começa a levantar as saias:
- Quem é que quer vir aos saldos da funerária Corgette? É só abastecer-se!
- Telefone para o hospital rápido! A mulher está com cio!
Os mosquitos à distância riem à gargalhada. Ouvindo-se um zumbindo ensurcedor. Toda a sala sente-se um vento inexplicável onde caiem papéis por todo o lado, livros saiem das parteleiras.
Ainda Saraiva de Canela grava as cenas no telemóvel.
- Agora vamos colocar isto youtube! Vamos lá ver do que serás capar de fazer agora courgette sex shop... vais passar todas as noites a vender coisas especiais na televendas e seres a sucessora da Cornélia!
O mosquito adolescente está deliciado com as figuras de Corgette. - Baril ! A cota andou a cheirar feno!!! LOl! Quero uma mulher daquelas que me pique as antenas...



Vila Nova de Nossa SEnhora da Morte

Perto da árvore Dona Courgette lança a língua de fora, espumando raiva. Olha para todos os lados. A árvore abana-se toda, tenta avisar os presentes de que a sua grande inimiga está ali para os matar, como sempre fez. Ai Curgette!!! Naquela noite era a inauguração da discoteca 31 de OUtubro e nada melhor de que ser no dia a Nossa Senhora da Morte ser colocada na pista de dança...
LIlith disse-lhes que sempre estivera a par de tudo e que a mãe de Bruno era a dona da clínica onde ela e Arlete a carneira estavam lá. O grande sucesso da clínica era que eles eram mantidos com drogas no lugar de os salvar. Davam-lhes alucinógeneos que acreditavam estar noutra dimensão.
- Pois mas eu não sou uma pessoa normal.
- Pois não, Lilth! Tu és adoradora da Nossa Senhora da Morte!
- Não, eu sou a deusa do amor e da guerra. Vi para destruir a morte, mas acabei por ser vítima dela transformando-me na Pipa... e sinto que ela esta aqui... e sei também que ela captorou o Teletubi Maçon e a Doutora Ainda. Falta ainda saber qual será a ligação dela com aquele casal de agricultores adoradores da barata Zombie...
- Eu sei, disse o DJ. Eles fazem parte de um grupo de travestis chamados Karls Barbie e Ken, não são só uma paródia á boneca, mas também são neonazis... instalaram-se aqui, porque são perseguidos... se a memória não me falha há suspeitas de que a nossa amiga Curgette é a chefe da Organização Sherazade... um grupo de raparigas é recrutadas para se casarem com um homem ariano e lhes dar filhos... a barata zombie é o significado dessa mesma categoria...
- Mas como é que isso possível? -perguntaram Carochina e Joaninha.
- O Grilo falante...
- Do pinóquio? -perguntaram as duas .


- Que saudades dele!!!
- Ele é meu informante, tornou-se traficante e para atenuar a pena, esteve num bar de espetáculos de transformismo onde era os meus olhos e os meus ouvidos ,passou a ter um papel, seguir todos os passos daquele casal de agricultores...

Naquele instante, Courgette incendiou a árvore. A jovem começou a gritar de dor, acabando por cair encima de Marto. O fogo acabou por destruir a maldição. "Foram-se os anéis" olhava -os furisoso...
Diante dos seus olhos arcos e símbolos esotéricos surgiam-lhe como ossos. "Pavlov devia andar por ali ", pensou o antigo designer. Quando caiu encima do DJ a jovem olhou fixamente deslumbrada:
- Meu Deus, serás tu S. Pedro? Afinal Pipa tinha razão. Os quatro olharam-se estupefactos com a afirmação. Courgette aproximou-se deles:

- Seus ingratos! Venham à mamã! Vou ensinar-vos como se construiu a fortuna deste país! Eu sou a Futura Presidente da República! Vou matar quem se meter à minha frente...

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home