fanzine Tertuliando (On-line)

Este "blog" é a versão "on-line" da fanzine "Tertuliando", publicada pela Casa Comum das Tertúlias. Aqui serão publicados: artigos de opinião, as conclusões/reflexões das nossas actividades: tertúlias, exposições, concertos, declamação de poesia, comunidades de leitores, cursos livres, apresentação de livros, de revistas, de fanzines... Fundador e Director: Luís Norberto Lourenço. Local: Castelo Branco. Desde 5 de Outubro de 2005. ISSN: 1646-7922 (versão impressa)

quarta-feira, julho 30, 2008

Não era uma vez?...Ou será apenas um fim de um sonho?

Há algum tempo atrás vi um filme intitulado "Mimzzie" em que dois irmãos recebem uma caixa vinda do mar. Dentro dessa caixa de madeira encontravam-se várias caixas e um coelho de peluche que falava. A grande caixa onde estavam as outras, deu capacidades fora do normal às duas crianças. A uma o poder de descobrir os desenhos da mandala tibetana e à capacidade de mover as pedras e possibilidade prever acontecimentos ou conhecer o passado de cada pessoa.
A arqueologia e a história têm também essa capacidade. Escolhi este filme para ilustrar uma pessoa em questão que não é uma pessoa qualquer.
Tem uma grande sensibilidade que transpõe para os seus trabalhos que nos deixam atónitos. Falo-vos de uma senhora que se tem empenhado em trazer para Portugal a Egiptologia. A sua tese de doutoramento, classificada com Muito Bom e Louvor, intitula-se “Os nomes próprios do Império Novo”, porém não é apenas esta tese e a sua rara idade no meio académico nacional que a tornam especial. Fez parte do grupo de criadores da primeira revista de egiptologia, “Hathor” (1989), da Associação Portuguesa de Egiptologia e, em 2000, obteve uma concessão do Estado Egípcio para escavar em Mênfis.
Por todas estas actividades há que se lhe reconhecer a fibra e o talento, mas recordo-vos ainda que esta senhora ligada à organização do Congresso Internacional de Egiptologia de Lisboa, a 04 de Abril de 2001, que trouxe a maiores sumidades nesta área à capital.
No ano seguinte dirigia já a primeira escavação arqueológica portuguesa no Egipto. Local: Mênfis. A palavra dá lugar à acção e tudo começa.
Foi por isso que escolhi o filme Mimzzie porque tem tudo a ver com a pessoa de que vos falo: a professora Maria Helena Trindade Lopes. Uma lutadora que continua a sonhar. Há pessoas que esmorecem e perdem a capacidade de sonhar quando atingem a maioridade ou simplesmente a idade adulta, outras não. Neste grupo está seguramente a minha amiga Maria Helena Trindade Lopes.
A escavação portuguesa em Mênfis recorda-me as pedras e a capacidade de que o coelho Mimzzie tinha de olhar para o passado e prever o futuro. No filme o coelho de peluche tem de voltar ao local de origem para se proteger, reviver e recuperar esse mundo. Também a escavação portuguesa – e o sonho de Maria Helena Trindade Lopes - não deve parar.
Como pensa a ciência, o governo em Portugal?
Estaremos condenados a prever um final riste para esta história? Todos deverão ter lido no dia 10 de Junho de 2008 uma notícia no "Diário de Notícias" da possibilidade do fim da escavação arqueológica onde a responsável teve que pedir um empréstimo pessoal a um banco porque a Fundação para a Ciência e Tecnologia não deu este ano a verba necessária para a continuação dos trabalhos.
Ora, a história e a arqueologia precisam de apoios, de estratégias e de mais pessoas activas como a grande Helena que tem alcançado no seu percurso académico várias vitórias. Um percurso e uma voz diferentes dos que estamos, mesquinhamente habituados.
Tal como no filme vamos fazer as pedras falar e os hieroglíficas soltarem o seu grito do fundo dos tempos, das areias escaldantes do deserto, para que se possa salvar esta operação delicada.
Mimmzie, o coelho de peluche, conta com a nossa ajuda e tenta comunicar também convosco, só que nem sempre temos a capacidade de o ouvir, e muito menos “os grandes iluminados”.
Peço-vos um minuto para ouvirem as pedras e os seus sinais mágicos falarem. Temos que acreditar num final feliz para esta história que se passa em Mênfis . Força Helena!
PS: Já agora visitem http://home.utad.pt/~apries/

Setúbal, 30 de Julho de 2008

Etiquetas:

1 Comments:

  • At 4:06 da tarde, Anonymous Anónimo said…

    De facto é lamentável que uma bandeira da nossa arqueologia seja hasteada quando instituições dão magnânimos apoios a outras artes. Por outro lado despertou-me a curiosidade em conhecer o trabalho científico da senhora, aproveitando para dar os parabéns ao ao autor pela criativa narrativa.

     

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home